Continúa nuestras novedades por e-mail

Home » » Linux nos desktops corporativos: finalmente chegou a hora?

Linux nos desktops corporativos: finalmente chegou a hora?

Microsoft aperta o cerco contra a pirataria e comunidade de código aberto tenta aproveitar a chance para ganhar espaço.


Em meio aos recentes planos da Microsoft de apertar o cerco contra os usuários de Windows pirata, a comunidade Linux se arma para concorrer com a atual dona do mercado e ganhar espaço nos desktops das empresas.


Com o lançamento do Vista, e a impopularidade do sistema, muito se especulou a respeito de um possível crescimento do Linux. A investida contra a pirataria coloca mais uma vez os holofotes nessa questão. Ainda mais quando a criadora da distribuição Linux mais famosa comunica sua entrada no mercado corporativo.


Na semana passada, a Canonical, empresa responsável pela distribuição Ubuntu, talvez a mais popular entre usuários domésticos do Linux, anunciou que está colocando em prática um plano para entrar no mercado corporativo.


Inicialmente, a empresa anunciou, durante o LinuxWorld, evento realizado em São Francisco, Estados Unidos, uma oferta conjunta com a plataforma Open Collaboration Client Solution (OCCS), da IBM, para fabricantes OEMs (origianl equipment manufacturers), tanto de servidores, quanto de desktops.


Com isso, clientes corporativos podem comprar o Lotus Notes, Lotus Symphony e o Lotus Sametime, juntamente com a distribuição da Canonical. A Red Hat também entrou no programa, que é voltado para revendedores VARs (value added ressellers) e integradores de sistemas.


“A lenta adoção do Vista nas empresas, aliada ao sucesso obtido por novos PCs livres dos sistemas da Microsoft em várias regiões, representa uma extraordinária janela de oportunidades para o Linux”, afirma Kevin Cavanaugh, vice-presidente para a plataforma Lotus da IBM.


A Canonical quer levar aproveitar o fato de sua distribuição ser considerada muito amigável ao usuário para entrar nas empresas, tanto no desktop, quanto nos servidores. Para isso, prepara parcerias e a oferta de pacotes de software preparados para o ambiente corporativo.


Essas ofertas incluem, segundo Malcolm Yates, gerente de alianças da Canonical, uma parceira com a Alfresco, que desenvolve sistemas para gerenciamento de conteúdo, a inclusão do Zimbra Desktop Client, do Yahoo, no repositório do Ubuntu e a oferta do Unison, que combina sistemas de telefonia, e-mail e mensagens instantâneas e é desenhado para substituir o Microsoft Exchange. Além da parceria com a IBM e o Lotus.


No Brasil, de acordo com Fábio Filho, gerente de negócios da Canonical para a América Latina, a empresa está em negociação para ampliar seus parceiros de negócios e embarcar o Ubuntu em um número maior de fabricantes. Atualmente, a companhia mantém acordos com a Dell - mundialmente - e com dois fabricantes do Nordeste, a Login e a Preview.


Na área de serviços e desenvolvimento, a Canonical possui, atualmente, apenas uma parceira, com a OneOs, e está firmando um acordo com o SENAC para treinamento de profissionais.


Mas a briga da Canonical não será somente com a Microsoft - ou com a pirataria, que, segundo Filho, é um concorrente ainda mais forte que a dona do Windows. No mercado de servidores, o Linux tem uma boa presença e conta com fornecedores de peso, como a Red Hat e a Novel. Mas essas empresa não conseguiram levar o sistema operacional para fora do data center.


Leia mais no: Computerworld

إذا أعجبك الموضوع اضغط هنا , أو ضع إيميلك هنا ليصلك كل جديد

0 commentaires :