Continúa nuestras novedades por e-mail

Home » » Para quem esta migrando (ou pensando em migrar) do DOS/Windows para o Linux

Para quem esta migrando (ou pensando em migrar) do DOS/Windows para o Linux

Guia Foca GNU/Linux
Capítulo 3 - Para quem esta migrando (ou pensando em migrar) do DOS/Windows para o Linux


Este capítulo explica as diferenças e particularidades do sistema GNU/Linux comparado ao DOS/Windows e uma lista de equivalência entre comandos e programas DOS e GNU/Linux, que pode servir de comparação para que o usuário possa conhecer e utilizar os comandos/programas GNU/Linux que tem a mesma função no ambiente DOS/Windows.


3.1 Quais as diferenças iniciais

  • Quando entrar pela primeira vez no GNU/Linux (ou qualquer outro UNIX, a primeira coisa que verá será a palavra login: escrita na tela.

    A sua aventura começa aqui, você deve ser uma pessoa cadastrada no sistema (ter uma conta) para que poder entrar. No login você digita seu nome (por exemplo, gleydson) e pressiona Enter. Agora será lhe pedida a senha, repare que a senha não é mostrada enquanto é digitada, isto serve de segurança e para enganar pessoas que estão próximas de você "tocando" algumas teclas a mais enquanto digita a senha e fazendo-as pensar que você usa uma grande senha ;-) (com os asteriscos aparecendo isto não seria possível).

    Caso cometa erros durante a digitação da senha, basta pressionar a tecla Back Space para apagar o último caracter digitado e terminar a entrada da senha.

    Pressione Enter, se tudo ocorrer bem você estará dentro do sistema e será presenteado com o símbolo # (caso tenha entrado como usuário root) ou $ (caso tenha entrado como um usuário normal).

    Existe um mecanismo de segurança que te alerta sobre eventuais tentativas de entrada no sistema por intrusos usando seu login, faça um teste: entre com seu login e digite a senha errada, na segunda vez entre com a senha correta no sistema. Na penúltima linha das mensagens aparece uma mensagem "1 failure since last login", o que quer dizer "1 falha desde o último login". Isto significa que alguém tentou entrar 1 vez com seu nome e senha no sistema, sem sucesso.

  • A conta root não tem restrições de acesso ao sistema e pode fazer tudo o que quiser, é equivalente ao usuário normal do DOS e Windows. Use a conta root somente para manutenções no sistema e instalação de programas, qualquer movimento errado pode comprometer todo o sistema. Para detalhes veja A conta root, Seção 11.6.
  • No GNU/Linux os diretório são identificados por uma / e não por uma \ como acontece no DOS. Para entrar no diretório /bin, você deve usar cd /bin.
  • Os comandos são case-sensitive, o que significa que ele diferencia as letras maiúsculas de minúsculas em arquivos e diretórios. O comando ls e LS são completamente diferentes.
  • A multitarefa lhe permite usar vários programas simultaneamente (não pense que multitarefa somente funciona em ambientes gráficos, pois isto é errado!). Para detalhes veja Execução de programas, Capítulo 5.
  • Os dispositivos também são identificados e uma forma diferente que no DOS por exemplo:
          DOS/Windows        Linux
    ------------- ---------------
    A: /dev/fd0
    B: /dev/fd1
    C: /dev/hda1
    LPT1 /dev/lp0
    LPT2 /dev/lp1
    LPT3 /dev/lp2
    COM1 /dev/ttyS0
    COM2 /dev/ttyS1
    COM3 /dev/ttyS2
    COM4 /dev/ttyS3
  • Os recursos multiusuário lhe permite acessar o sistema de qualquer lugar sem instalar nenhum driver, ou programa gigante, apenas através de conexões TCP/IP, como a Internet. Também é possível acessar o sistema localmente com vários usuários (cada um executando tarefas completamente independente dos outros) através dos Terminais Virtuais. Faça um teste: pressione ao mesmo tempo a tecla ALT e F2 e você será levado para o segundo Terminal Virtual, pressione novamente ALT e F1 para retornar ao anterior.
  • Para desligar o computador, digite shutdown -h now e espere o aparecimento da mensagem Power Down para apertar o botão LIGA/DESLIGA do computador. Veja Desligando o computador, Seção 1.16 para detalhes.

3.2 Comandos equivalentes entre DOS e Linux

Esta seção contém os comandos equivalentes entre estes dois sistemas e a avaliação entre ambos. Grande parte dos comandos podem ser usados da mesma forma que no DOS, mas os comandos Linux possuem avanços para utilização neste ambiente multiusuário/multitarefa.

O objetivo desta seção é permitir as pessoas com experiência em DOS fazer rapidamente no GNU/Linux as tarefas que fazem no DOS. A primeira coluna tem o nome do comando no DOS, a segunda o comando que possui a mesma função no GNU/Linux e na terceira coluna as diferenças.

       DOS       Linux                        Diferenças
-------- ------------ --------------------------------------------------
cls clear Sem diferenças.
dir ls -la A listagem no Linux possui mais campos (as
permissões de acesso) e o total de espaço ocupado
no diretório e livre no disco deve ser visto
separadamente usando o comando du e df.
Permite também listar o conteúdo de diversos
diretórios com um só comando (ls /bin /sbin /...).
dir/s ls -lR Sem diferenças.
dir/od ls -tr Sem diferenças.
cd cd Poucas diferenças. cd sem parâmetros retorna ao
diretório de usuário e também permite o uso
de "cd -" para retornar ao diretório anteriormente
acessado.
del rm Poucas diferenças. O rm do Linux permite
especificar diversos arquivos que serão apagados
(rm arquivo1 arquivo2 arquivo3). Para ser mostrados
os arquivos apagados, deve-se especificar o
parâmetro "-v" ao comando, e "-i" para pedir
a confirmação ao apagar arquivos.
md mkdir Uma só diferença: No Linux permite que vários
diretórios sejam criados de uma só vez
(mkdir /tmp/a /tmp/b...).
copy cp Poucas diferenças. Para ser mostrados os arquivos
enquanto estão sendo copiados, deve-se usar a
opção "-v", e para que ele pergunte se deseja
substituir um arquivo já existente, deve-se usar
a opção "-i".
echo echo Sem diferenças.
path path No Linux deve ser usado ":" para separar os
diretórios e usar o comando
"export PATH=caminho1:/caminho2:/caminho3:"
para definir a variável de ambiente PATH.
O path atual pode ser visualizado através
do comando "echo $PATH".
ren mv Poucas diferenças. No Linux não é possível
renomear vários arquivos de uma só vez
(como "ren *.txt *.bak"). É necessário usar
um shell script para fazer isto.
type cat Sem diferenças.
ver uname -a Poucas diferenças (o uname tem algumas opções
a mais).
date date No Linux mostra/modifica a Data e Hora do sistema.
time date No Linux mostra/modifica a Data e Hora do sistema.
attrib chmod O chmod possui mais opções por tratar as permissões
de acesso de leitura, gravação e execução para
donos, grupos e outros usuários.
scandisk fsck.ext2 O fsck é mais rápido e extensivo na checagem.
doskey ----- A edição de teclas é feita automaticamente pelo
bash.
edit vi, ae, O edit é mais fácil de usar, mas usuário
emacs experientes apreciarão os recursos do vi ou
o emacs (programado em lisp).
fdisk fdisk, cfdisk Os particionadores do Linux trabalham com
praticamente todos os tipos de partições de
diversos sistemas de arquivos diferentes.
format mkfs.ext2 Poucas diferenças, precisa apenas que seja
especificado o dispositivo a ser formatado
como "/dev/fd0" ou "/dev/hda10" (o
tipo de identificação usada no Linux), ao
invés de "A:" ou "C:".
help man, info Sem diferenças.
interlnk plip O plip do Linux permite que sejam montadas
redes reais a partir de uma conexão via Cabo
Paralelo ou Serial. A máquina pode fazer tudo
o que poderia fazer conectada em uma rede
(na realidade é uma rede e usa o TCP/IP como
protocolo) inclusive navegar na Internet, enviar
e-mails, irc, etc.
intersvr plip Mesmo que o acima.
keyb loadkeys Sem diferenças (somente que a posição das
teclas do teclado pode ser editada.
Desnecessário para a maioria dos usuários).
label e2label É necessário especificar a partição que terá
o nome modificado.
mem cat /proc/meminfo Mostra detalhes sobre a quantidade de dados
top em buffers, cache e memória virtual (disco).
more more, less O more é equivalente a ambos os sistemas, mas
o less permite que sejam usadas as setas para
cima e para baixo, o que torna a leitura do
texto muito mais agradável.
move mv Poucas diferenças. Para ser mostrados os arquivos
enquanto estão sendo movidos, deve-se usar a
opção "-v", e para que ele pergunte se deseja
substituir um arquivo já existente deve-se usar
a opção "-i".
scan ----- Não existem vírus no Linux devido as
restrições do usuário durante execução de
programas.
backup tar O tar permite o uso de compactação (através do
parâmetro -z) e tem um melhor esquema de
recuperação de arquivos corrompidos que já
segue evoluindo há 30 anos em sistemas UNIX.
print lpr O lpr é mais rápido e permite até mesmo
impressões de gráficos ou arquivos compactados
diretamente caso seja usado o programa
magicfilter. É o programa de Spool de
impressoras usados no sistema Linux/Unix.
vol e2label Sem diferenças.
xcopy cp -R Pouca diferença, requer que seja usado a
opção "-v" para mostrar os arquivos que
estão sendo copiados e "-i" para pedir
confirmação de substituição de arquivos.

3.2.1 Arquivos de configuração

Os arquivos config.sys e autoexec.bat são equivalentes aos arquivos do diretório /etc especialmente o /etc/inittab e arquivos dentro do diretório /etc/init.d .


3.3 Usando a sintaxe de comandos DOS no Linux

Você pode usar os comandos do pacote mtools para simular os comandos usados pelo DOS no GNU/Linux, a diferença básica é que eles terão a letra m no inicio do nome. Os seguintes comandos são suportados:

  • mattrib - Ajusta modifica atributos de arquivos
  • mcat - Mostra os dados da unidade de disquete em formato RAW
  • mcd - Entra em diretórios
  • mcopy - Copia arquivos/diretórios
  • mdel - Exclui arquivos
  • mdeltree - Exclui arquivos, diretórios e sub-diretórios
  • mdir - Lista arquivos e diretórios
  • mdu - Mostra o espaço ocupado pelo diretório do DOS
  • mformat - Formatador de discos
  • minfo - Mostra detalhes sobre a unidade de disquetes
  • mlabel - Cria um volume para unidades DOS
  • mmd - Cria diretórios
  • mmount - Monta discos DOS
  • mmove - Move ou renomeia arquivos/subdiretórios
  • mpartition - Particiona um disco para ser usado no DOS
  • mrd - Remove um diretório
  • mren - Renomeia arquivos
  • mtype - Visualiza o conteúdo de arquivos (equivalente ao cat)
  • mtoolstest - Exibe a configuração atual do mtools
  • mshowfat - Mostra a FAT da unidade
  • mbadblocks - Procura por setores defeituosos na unidade
  • mzip - Altera modo de proteção e ejeta discos em unidades Jaz/ZIP
  • mkmanifest - Cria um shell script para restaurar nomes extensos usados no UNIX
  • mcheck - Verifica arquivos na unidade

3.4 Programas equivalentes entre Windows/DOS e o Linux

Esta seção contém programas equivalentes para quem está vindo do DOS e Windows e não sabe o que usar no GNU/Linux. Esta seção também tem por objetivo permitir ao usuário que ainda não usa GNU/Linux decidir se a passagem vale a pena vendo se o sistema tem os programas que precisa.

Note que esta listagem mostra os programas equivalentes entre o DOS/Windows e o GNU/Linux cabendo a você a decisão final de migrar ou não. Lembrando que é possível usar o Windows, OS/2, DOS, OS/2 e GNU/Linux no mesmo disco rígido sem qualquer tipo de conflito. A listagem abaixo pode estar incompleta, se encontrar algum programa que não esteja listado aqui, por favor entre em contato pelo E-Mail gleydson@cipsga.org.br para inclui-lo na listagem.

     DOS/Windows           Linux                         Diferenças
----------- ---------- -------------------------------
MS Word Open Office, O Open Office possui todos os
Corel Word Perfect recursos do Word além de ter
a interface gráfica igual, menus
e teclas de atalho idênticas ao
Word, o que facilita a migração.
Também trabalha com arquivos
no formato Word97/2000 e não
é vulnerável a vírus de macro.
É distribuído gratuitamente e
não requer pagamento de licença
podendo ser instalado em quantos
computadores você quiser (tanto
domésticos como de empresas).
MS Excel Open Office Mesmos pontos do acima e também
abre arquivos Excel97/2000.
MS PowerPoint Open Office Mesmos pontos do acima.
MS Access SQL, Oracle, etc Existem diversas ferramentas de
conceito para bancos de dados
corporativos no Linux. Todos
produtos compatíveis com outras
plataformas.
MS Outlook Pine, Mutt, etc Centenas de programas de E-Mail
tanto em modo texto como em
modo gráfico. Instale, avalie
e escolha.
MS Internet Explorer Netscape, Arena, Os três primeiros para modo
Mozilla, lynx. gráfico e o lynx opera em
modo texto.
ICQ LICQ, GAIM, SIM Muito prático e fácil de
operar. Possibilita a mudança
completa da aparência do programa
através de Skins. A organização
dos menus deste programa é outro
ponto de destaque.
Photo Shop The Gimp Fácil de usar, possui
muitos scripts que permitem
a criação rápida e fácil de
qualquer tipo de efeito
profissional pelo usuário
mais leigo. Acompanha centenas
de efeitos especiais e um
belo manual em html com muitas
fotos (aproximadamente 20MB) que
mostra o que é possível se fazer
com ele.
Corel Photo Paint Corel Photo Paint Corel Photo-Paint para
Linux.
winamp xmms Possui todos os recursos do
programa para Windows além
de filtros que permite acrescentar
efeitos digitais da música (em
tempo real), eco, etc.
media player mplayer,playmidi Programas para execução de
xwave, arquivos de música e videos
multimídia. Existem outras
alternativas, a escolha
depende de seu gosto e da
sofisticação do programa.
Agente de Sistema cron Pouca diferença. O cron
da mais liberdade na programação
de tarefas a serem executadas
pelo Linux.
Mixer aumix, cam Sem diferenças.
Bate-Papo talk, ytalk O talk e o ytalk permite a
conversa de dois usuários não
só através de uma rede local,
mas de qualquer parte do
planeta, pois usa o protocolo
tcp/ip para comunicação. Muito
útil e fácil de usar.
MIRC Bitchx, xchat Clientes IRC para Linux
IIS, Pers. Web Server Apache O apache é o servidor WEB mais
usado no mundo (algo em torno
de 75% das empresas), muito
rápido e flexível de se
configurar.
Exchange, NT Mail Sendmail, Postfix, 72% da base de servidores de
Exim, Qmail emails no mundo atualmente roda
em software livre. Os mais recomendados
são o Postfix e o qmail, devido a
segurança, velocidade e integridade
de mensagem
Wingate, MS Proxy Squid, Apache, A migração de um servidor proxy
ip masquerade, para Linux requer o uso de
nat, diald, vários programas separados para
exim, que se tenha um resultado
profissional. Isto pode parecer
incomodo no começo, mas você logo
perceberá que a divisão de serviços
entre programas é mais produtivo.
Quando desejar substituir um
deles, o funcionamento dos
outros não serão afetados.
Não vou entrar em detalhes sobre os
programas citados ao lado, mas o squid
é um servidor proxy Web (HTTP e
HTTPS) completo e também apresenta um
excelente serviço FTP.
Possui outros módulos como dns, ping,
restrições de acesso, limites de
tamanho de arquivos, cache, etc.
MS Frontpage Netscape Composer Sem comentários... todas são
e muitas outras ferramentas para a geração
ferramentas para de grandes Web Sites. O wdm,
geração de conteúdo por exemplo, é usado na geração
WEB (como zope, do site da distribuição Debian
php3, php4, wdm, (http://www.debian.org) em 27
htdig) idiomas diferentes.
MS Winsock Sem equivalente O Linux tem suporte nativo a
tcp/ip desde o começo de sua
existência e não precisa de
nenhuma camada de comunicação
entre ele e a Internet. A
performance é aproximadamente
10% maior em conexões Internet
via fax-modem e outras redes tcp/ip.
ViruScan, TBAV, ----- Não existem vírus no Linux
F-PROT, CPAV. devido as restrições ao usuário
durante a execução de programas.

إذا أعجبك الموضوع اضغط هنا , أو ضع إيميلك هنا ليصلك كل جديد

0 commentaires :